Como organizar uma biblioteca

Recentemente uma amiga me fez essa pergunta, assim, da forma mais natural possível. Considerando-se que sou bibliotecário, deveria saber responder-lhe prontamente. Neste momento minhas leituras incluíam o instigante A conturbada história das bibliotecas (veja trechos), do também bibliotecário Mattew Battles, e A construção do livro, de Emanuel Araújo, além de alguns artigos relacionados coma organização da informação e do conhecimento, estes últimos como suporte para a tese que desenvolvo sobre ontologias.

Meu desejo inicial foi despejar sobre minha interlocutora tudo o que minha pobre cabeça conseguiu acumular sobre o assunto  naqueles últimos dias. Alegrava-me ante a perspectiva de poder compartilhar com alguém as questões políticas, ideológicas, filosóficas e linguísticas relacionadas com a organização de bibliotecas. Como sua questão fora extremamente pontual, entretanto, resolvi, ainda considerando minha formação em Biblioteconomia, exercitar o que aprendera nos bancos escolares, negociei a questão. Minha amiga não estava interessada na organização de bibliotecas de um modo geral, estava interessada em resolver uma questão prática: queria ajudar o pai a organizar seu ‘espaço informacional’, o escritório onde passava algumas horas por dia entre livros, discos, CDs, revistas e outos itens de informação. Formulando melhor sua pergunta, o que queria saber era: como organizar uma biblioteca pessoal, sem grandes pretensões de controle de acervo e de empréstimo (palavra, aliás, quase sempre constrangedora em ambientes de bibliotecas pessoais)?.

Inicialmente informei-lhe que deveria contratar um bibliotecário, claro. Em vista de sua recusa e de um ‘quase-espanto’, compartilhei com ela minha experiência pessoal. Em casa de ferreiro, espeto é de pau, diz a sabedoria popular. Não no meu caso. Tenho uma modesta (modesta mesmo, sem modéstia) biblioteca constituída principalmente por livros e CDs. Literatura e música estão entre minhas maiores paixões. Procuro manter minha ‘quase-biblioteca’ organizada. Para isso lanço mão de recursos simples. Depois de aventurar-me com o cadastro dos livros e dos CDs em softwares especializados, tais como o MiniBiblio e o PHL, simplifiquei o processo e reduzi a automação ao uso do do Excel, criando uma planilha que inclui os campos tradicionais de identificação e um espaço para minhas impressões sobre o documento. Trata-se de uma tabela simples, que poderia ser desenvolvida em, praticamente, qualquer aplicativo do Office; a opção pelo Excel deu-se por conta dos recursos mais avançados e da facilidade que oferece para organização de planilhas. Organizo os livros na estante por ordem de classificação (Classificação Decimal Universal) e os CDs por ordem de número de tombo. Minha biblioteca digital está dividida em cinco categorias: artigos, e-books, fichamentos, imagens e teses. Dentro delas, apenas os artigos (a maioria deles em formato pdf, relacionados com minhas áreas de interesse), estão classificados. Neste caso, sigo uma taxonomia que se adequa ao modo como penso o campo e insiro os artigos lidos ou não em subpastas.

Na busca por alguma coisa que pudesse ajudar na solução do problema apresentado, encontrei algumas coisas interessantes, como o provocador e bem humorado Como organizar uma biblioteca pública, de Umberto Eco, presente em seu O segundo diário mínimo. Este texto aparece comentado aqui e ali. Confira o blog Livros e afins, de Alessandro Martins e o Portal Bibliotecário, onde o texto aparece na íntegra.

Vale a pena conferir também (sem esperar soluções práticas ou mágicas, claro), os vídeos abaixo. O primeiro trata mais especificamente do tema, enquanto o segundo, mais superficial, fala sobre a importância da biblioteca em contextos de educação infantil.
http://www.videolog.tv/ajax/codigoPlayer.php?id_video=289577&relacionados=S&default=S&lang=PT_BR&cor_fundo=000000&swf=1&width=424&height=318

http://revistaescola.abril.com.br/player-flash/player.swf

3 thoughts on “Como organizar uma biblioteca

  1. Sou professora e estou no momento afastada da sala de aula por motivo de doença (depressão), mas quero muito voltar a trabalhar e como esse ano não dá para ser mais em sala de aula pedi para ficar na biblioteca pois gosto muito de ler e estar junto de alunos por isso gostaria de saber como organizar o ambiente de maneira pratica e agradável já que os educandos de hoje em dia não gostam de frequentar e nem ler em biblioteca.

  2. “Profissional encarregado da biblioteca – infelizmente o que se vê são muitos professores em fim de carreira ou com problemas de saúde encostados nela. Assim, na biblioteca encontram-se muitos profissionais que precisam de um lugar tranqüilo, silencioso e vazio para passar os últimos dias, meses ou anos de suas vidas profissionais. Por isso, esses educadores preferem manter a ordem, o silêncio sepulcral e a disciplina no local. O pouco ou nenhum contato com o usuário é, assim, almejado; quando acontece, é frio, técnico e monossilábico. Às vezes, é adotado um sistema de empréstimo no qual o usuário solicita o livro por meio de um envelope. No dia seguinte ao pedido, o bibliotecário, em vez de orientar o consulente, deposita o pedido no mesmo pacote para que o usuário receba sua encomenda. A relação usuário-bibliotecário, nesse sentido, acontece também de forma impessoal. Outro ponto importante a se ressaltar é a condição desse profissional: não-leitor e não-incentivador da prática da leitura no local.” Pelo amor de Deus esse comentário não se aplica a mim, quero fazer na biblioteca o que faço em sala de aula que é incentivar os alunos a serem bons leitores.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>